terça-feira, 14 de setembro de 2010

Irreversível


Em negro o pesar.

Imacula,
o grito. O ato da corja.
Emascula,
o rito. O fato que forja.
E macula.

E
j
a
c
u
l
a
.

Estrela,
latente.
É tê-la,
lá dentro,
cadente.

Em branco o pensar.

domingo, 5 de setembro de 2010

Jethro Tull - Roots to Branches


Primeiro: Comprei esse cd no queima-estoque de uma loja falida na minha cidade por 10 reais. Mas esse não foi o único motivo com certeza, apesar que eu adorei isso!rsrs
Pois é. Este é o vigésimo album da banda inglesa, que iniciou seus trampos no fim dos anos 60, e está bem distante dos clássicos trabalhos da banda a exemplo do disco Aqualung. Roots to branches (down now here!) surge em 1995 e chama a atenção por ser extremamente maduro, com músicas que a gente percebe terem sido muito bem trabalhadas. A banda explora as influências orientais ao tempo em que retoma a velha pegada de rock progressivo dos albuns clássicos. Faixas com melodias pegajosas, alternância de tempos, fazem de Roots to branches um disco muito gostoso de ouvir! Pra quem não conhece a banda também é interessante começar por aqui. E se curtir... Go to the classics!! Não vai se arrepender! Uma banda de progressivo onde um flautista é o frontman e a flauta um elemento essencial, é Jethro Tull!! : )
Destaco a faixa "dangerous veil", claro, a que eu gosto mais!! rsrs
Nota? Eu sou suspeito pra falar mas...é 10 de 10! Pra mim, esse disco também é excepcional!

Line up:

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Basta


Lindo, pra mim, é raro. Raro é valor. Valor se mostra. Se,
Se demonstra.
Não por/Mas com
um orgulho de sabe-se lá o que não definido.

Indefinido, pra mim, é mágico. Mágica é encanto.
Encanto se mantém.
Se,
Se quer.