sábado, 19 de junho de 2010

O teu nome



Roda a lua em samba de roda
Se consuma, sem consumo
Improviso e preciso,
Devagar e urgente.

A gente se perde,
por dentro de uma estrela
A gente fica, a gente segue,
no silêncio que ampara o amor.

Somos da noite,
do sereno.
Do dia,
por inteiro.

Das metades núbeis.
Me encontras,
e te conheces.
Verso. Sem vício.

Som imaginário,

(.................)Gritos e sussurros são cores.

E o tempo,

(.................)é delicadeza.

4 comentários:

Ane Lopes disse...

Amei a primeira foto!
E amei o final do texto:
"Gritos e sussurros são cores.
E o tempo,
é delicadeza."

Liiiindo! *-*

Claudinha disse...

eu queria escrever como você! :)

Rafael sem h disse...

ahhh n aninha....eu já escrevo assim! Tem graça n rsrsrs
E se assim fosse, a gente perderia o jeito como vc escreve, que, sinceramente, eu gosto. Só tem que voltar com o blog!
: )

Rafael sem h disse...
Este comentário foi removido pelo autor.