quarta-feira, 9 de junho de 2010

Metricô de Retoricalhos



Ecos que refletem sob o mesmo som repetido. Repedido, reperdido, na constância. Repercutindo, repercurtindo, em batidas diferentes. São dúvidas insolventes que profanam a calmaria alheia. O que queres aqui, Retórica?
Não serves, quando és eco de um self atormentado. Ansioso em convencer os outros pela incapacidade estampada na ausência do convencimento de si mesmo.
É do mesmo modo como não me serve a métrica. Quando quem dela se serve, servo dela é.


2 comentários:

Rafa disse...

Sábia escolha. Ainda mais quando o outro é uma farsa em si. E se disfarSa (com s mesmo), até de si próprio.

Rafael sem h disse...

pois eh minina... A Srta. Retórica, sua métrica, e seus fantasmas...precisam mesmo de um tratamento. "E no final o maluco sou eu", ai ai Raul... rsrsrs
Resta saber se existem psicólogos fantasmas...

Bjin Dgi! Valeu a força.
; )