quarta-feira, 9 de junho de 2010

Gong

Gong Perfomance

Psicodelia, jazz rock, progressivo de altíssima qualidade, são algumas das tags que podem ser tranquilamente aplicadas ao Gong. Estamos falando de uma pérola de banda, onde a versatilidade, a criatividade, e a complexidade sonora são traços marcantes. São músicos de primeira. E uma grande banda sempre tem uma grande (e bela) história. Vamos lá que vale a pena... : )

O Gong foi formado em 1967, graças a um problema no visto do mentor da banda Daevid Allen, que acabou ficando na França onde viria a constituir a primeira formação do grupo com Gilli Smith, que mais tarde se tornaria sua futura esposa. Por causa da revolução estudantil em 1968, o casal se viu obrigado a migrar pra algum lugar. Espanha foi a escolha. E lá, Deus sabe como, conheceram o saxofonista Didier Malherbe (Detalhe: O cara morava em Deya, numa...Caverna!! rsrs).

Daevid Allen

E assim o Gong foi indo...desenvolvendo. Várias bandas foram formadas a partir de ex membros do Gong, inclusive pelo próprio Allen que na década de 70 caiu fora do projeto, provavelmente devido a desavenças musicais (mais tarde ele retornaria). Planet Gong, Mother Gong, Here and Now, Gongzilla, são bandas derivadas do Gong original. Allen se refere ao conjunto de todas como Gong Global Family.
A discografia é imensa e chega até 2009 com o disco 2032. Naturalmente, uma banda que vem de 1969 até 2009 passou por várias fases, algumas mais psicodélicas, outras mais pro jazz/fusion, chegando até a flertar com os elementos eletrônicos. O massa é que: Todas as fases são f.....!!!, o que é difícil numa banda.

Sendo assim, não tem como falar de um disco só. Pra um primeiro contato disponibilizo o Anthology: 1969 - 1971 , o expresso II (1978) e o shapeshifter (1992), que são bem diferentes entre si. (Clique nos albuns pro Down!!). Falo sem medo: Não dou nota pra esses discos. Gong é uma banda nota 10!!


Espero que vocês curtam!

2 comentários:

Rafael sem h disse...

Se pedir password pra descompactar digite: farsh

Admílson disse...

O contrabaixo na maioria das musicas segue suave, mas sempre preciso.

Luiz Andre me apresentou essa banda.
tá aí um bom progressivo.