terça-feira, 1 de junho de 2010

Emily. Por ela, por mim, por nós.


Dentre todas as Almas já criadas -
Uma - foi minha escolha.

Quando Alma e Essência - se esvaírem -
E a Mentira - se for...

Quando o que é - e o que já foi -
lado a lado - Intrínsecos - permanecerem -
E o Drama efêmero do corpo - feito Areia -
escoar...

Quando as Faces Fidalgas se mostrarem -
E a Neblina - fundir-se...

Eis - entre as lápides de Barro -
O Átomo que eu quis!

* Título original: Of all the Souls that stand create - by Emily Dickinson
Obs: Este poema foi traduzido e modificado por mim, conforme absorvi melhor o seu entendimento.



Photo: Wild nights - By Emily Dickinson (manuscript).

2 comentários:

Emilinha disse...

Ah, esse anfitrião que nos recebe com tão bom vinho, nesta casa de letras aromáticas... sorvi Emily com os olhos e embriaguei minha alma.
Surpreendendo sempre, Rafa.
Bj
Emi

Isabel disse...

quando tudo se for e nada mais restar.. quando tudo, quando todos, quando nós não mais restar..
aquele filme, doce novembro, muito adorável mesmo!