quarta-feira, 10 de junho de 2009

dó, RA, mi, fá, sol, lá, si



Somos um nó de nós. Não um nó cego, flâmeo, ou invisível.
Nó que não se descreve,
apenas se escreve,

Sobre uma mesma linha,
em um só novelo de sentimentos.
Contínua... Uma essência, de dois.

Não se une o que já está unido,
e o nó é apenas a marca,
de um passo. Nosso.

Hoje sinto que não se procura.

Aparece. Por merecimento.
E onde se tinha Eu,
de repente cabe Nós.

Como o gato,
quando olhou pra flor,
e viu que tudo era uma coisa só...

...inclusive ele e a flor.

2 comentários:

Lua Estrela disse...

Que lindo, bem doce. ^.^

hmm.. que bom que gostou.
Não pus a foto daqui pq achei aquela muito parecida com o dia em que conheci o Kamaji.

Tu sumistes heim rapaz?
haha

Beijos :*

bia disse...

Conhecendo as duas partes dessa partitura, confesso que foi escrita nas ...oitavas...

Muito lindo!