quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Na cadência do samba



Quando me cubro,
é às avessas,
para descobrir...

Não tenho limites,
vivo intenso,
mas o intenso que existe.

E o sentimento,
...........................até que desengane,
...................................................................eu vivo.

Ouço o coração,
sim,
mas também penso.

Não espere,
não me espere,
nem faça esperar,

Se está brando,
...........................ou apurado,
................................................é a leitura do teu olhar,

Que é diferente dos meus, que é diferente dos dela, que é diferente...

5 comentários:

Rafael Velasquez disse...

leia-se nos olhos, sempre algo bonito quando não tem ódio.

pensei isso quando li o seu: "é a leitura do teu olhar"

um abraço.

Tata disse...

Não tenho limites,
vivo intenso,
mas o intenso que existe.

E o sentimento,
até que desengane,
eu vivo.


Parece que você escreveu pra mim sem perceber. Cada dia melhor tu, Rafa.

Aaah, nem fui ontem... dormi muuuuito. kkkk

Beijo, bom dia!

Luciana Dantas (Asas do Tempo) disse...

ê onda.. a gente se parece demais!!
gosto dos teus escritos, menino! xero

Sunflower disse...

excelente!

Di disse...

Só falta colocar melodia. ;)