sábado, 21 de junho de 2008

Leite com Nescau



Ponto final? Não houve como ser.
O mais que consegui,
Foram as reticências,
Reticências difíceis estas. E tentativa, de negar o que eu sinto...

Existe mesmo um sol e uma lua nossos. E brilham forte.
Meu medo inventou um eclipse em tudo. Como de costume.
Mas desfiz, e você ainda estava lá,
Você, e a lua, e o sol.

Notas...as notas trazem os tons,
Mas isso não é um trabalho solo,
E o encaixe dos tons reside na certeza,
de que sem você não há essa música.

"São beijos que nunca voltarão"
Verdade. Pois não há um que se repita.
Intenso. Extenso. Brincando. Sorrindo.
Só rindo. Sonhando. Pensando. Sentido.

O sabor e as manchas, que ficam por fora,
Somem. Mas te digo, e digo porque quero te dizer,
Que há sabor e manchas por dentro. Que ficam,
E ficam bem guardadas. Com carinho.

Ontem resolvi segurar tua mão. E te segurar.
Sem mais lágrimas,
Sem mais desculpas.
...E do leite...coloquei nescau.

3 comentários:

Mariana disse...

".. beijos que nunca voltarão", então talvez seja hora de reinventar, um ou outra desculpa, um motivo qualquer para continuar.

sempre.

Um abraço.
Mariana Coutinho.

Tata disse...

acertou em cheio.
copiei pra mim, ta?

add... disse...

Comecei a ler, aí esqueci o leite com nescau, mas veio o final...