segunda-feira, 31 de março de 2008

Lampadomancia



De lapso em lapso, nesta vida, vejo,
desta vida, tudo, tudo é passagem.
Como por alguns passarei, alguns passarão por mim.
Pessoas, coisas e tempos, dos quais, nada se leva.
Daqui, comigo, vou-me apenas eu, eu sei...mas eu aceito?
Não. Não aceito. Audacioso e atrevido, invento outros ventos,
que não me sejam tão...monásticos(?). É. Monásticos.
Invento, não pelas coisas, ou pelos tempos,
mas pelas pessoas que fazem os tempos,
e é claro, por mim, senão não haveria razão.
E se quisermos, mutuamente, nos levar dessa vida,
nós e nossos tempos, pelo menos havemos de tentar.
E quem sou eu pra te tentar? Não sei, mas tento,
se vejo que você quer ser tentada.
"Coração que conversa com a razão perde um pouco da sua cor".
Mas, nessa conversa, a razão fica um pouco desmiolada.
E eu gosto disso.
Assim, permaneço insensato,
onírico, e novamente,
onírico...


*citação por Helena Oliveira.

Um comentário:

freira contemplativa disse...

então há partilha?