terça-feira, 4 de novembro de 2008

голуб (Inversamente proporcional e outras histórias..)



É. Talvez o que eu sempre quis já tenha passado por mim. E duas vezes. O menor tempo com, o maior sentimento por...é estranho isso. Mas assim foram meus relacionamentos. Eu deveria ficar com ela, e eu quis isso! Ela também quis (ela quis = passado, suponho). Já na segunda vez, meu medo de magoá-la me fez dizer que queria ficar só. Instinto de proteção na hora errada. E que nada protegeu...Dissipou.

Estou mesmo aprendendo a lidar com meus momentos de inconstância, e estou feliz por isso. Eles vem da mesma forma...mas eu posso escolher os que eu quero viver, e transformá-los em ações, ou não, da minha parte. Ter consciência disso foi bom, e já mudei em alguns aspectos. Mas aonde eu quero saber se mudei, não sei. Não houve teste. Nem quero forçar um.

No mais ando sem inspiração. Expiro palavras que, no momento, guardo pra mim. Ciscalhos.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Acebolado




Sim. Existem os males necessários. E um deles, no meu caso, é descascar cebolas. É difícil pra caramba, mas é o que eu tô tentando fazer, pra me entender mais...
Antes fossem batatas...mas são cebolas...
O pior é que tenho duas: Uma da branca e uma da roxa. A branca é perfeitinha demais. Percebo que ela por si só é muito ingênua, quer salvar o mundo, ver todo mundo feliz, e ser feliz também como se fosse...como se bastasse querer. Tem valores nobres e firmes. Dos mais sagrados. Tenho consciência de que se vivesse de descascar somente ela seria sem graça. Sem emoção. Mas ao mesmo tempo seria seguro. Pé no chão. E lindo, desses de conto de fadas. Ela é tão mansinha, que descascá-la me faz chorar de rir. E seria bonita de se ver. Só ela. Mas não de se viver... Por que? Por causa da roxa.
A cebola roxa...ela se descasca nas aventuras, nas incertezas, no prazer de arriscar. No profano. Vê a beleza onde poucas pessoas enxergam o belo. Quebra convenções. Se importa com o mundo tanto quanto a branca, mas é mais radical em relação a proteger os animais. Pensa mais em si. Quase que somente em si. Não por maldade, mas por inconsequência. Por não perceber que seus movimentos causam reflexos em outros e outras. E isso é um problema. Porque ela, quase sempre, machuca pessoas. E por si só é puro instinto. Inesperada, fria, imprevista...Perigoso demais...
A cebola branca e a roxa vivem travando batalha. Como se fossem dois inimigos, e duas pessoas distintas. Só se ferem, e ninguém vence, pois não é pra existir batalha. Ambas são cebolas, mas a essência é a mesma. O que eu quero é vê-las fazerem as pazes. Fazê-las perceber que uma está aí pra equilibrar a outra. E que juntas são mais fortes, e interessantes de se ver. E de se viver... Pra elas... Pra mim... Pros outros...

terça-feira, 21 de outubro de 2008

De cavalos soltos



Cansei de conduzir as rédeas e soltei os cavalos. Existem abismos de ambos os lados, mas eu confio nos cavalos. São meu novo dogma. Os cavalos soltos. A sabedoria nasce mesmo é naquele que dela não faz questão. Percebi isso hoje, estampado na cara sofrida daquele agricultor. A compreensão plena, traduzida em palavras simples. Eu sorria por dentro com aquilo. Aquelas frases curtas, em português chulo, que diziam tudo o que eu conseguiria dizer em vários textos. Se é que eu conseguiria...
Mas voltando ao novo dogma, enfastiei. Não vou viver das migalhas sociais que querem que eu viva. Vou velejar. O amargo da frustração se torna o doce de percebê-la falsa. A frustração é social, não minha. E sendo imposta, a mim cabe aceitar ou não. E dentro de mim ela não cabe, como não me caibo dentro dela.
Estou avulso. Não tenho avesso, nem inverso. Tenho a mim. Não tenho que me entender, tenho que me aceitar. Tentando entender se traz sempre mais problemas. Isso não é regra geral. Nem comodismo. É humildade, para com certos assuntos. Liberdade de quaisquer niilismos. Mas espere antes de pensar (julgar). Somos homens e mulheres, sim, mas diferentes entre si. E muito. Isso que eu escrevo é pessoal, pode não servir pra você, talvez nem pra mim, ainda não sei. É um experimento novo. Um novo olhar, meu, e que recai sobre mim. Algo que se você fizer o mesmo, por ser você, já não será igual.
Hoje o céu está aberto, sol forte, mas tem umas nuvens escuras... Amanhã já não estará mais assim...

sábado, 18 de outubro de 2008

Ensaiadinho

Um beijinho,
imagina vai,

um beijinho...

tá vindo, tá vindo...

ops...desviei,

fui pro rosto,

mas n beijei...


Ainda não (pode rir...),
só senti o cheiro.

Hummmm...gostei do cheiro,

fui adiante...adiante,
na orelhinha,
segurei a mordidinha (agora não...),
só respirei...

Voltei um pouco,
olhei nos olhos,
olhei na boca,
mais de pertinho,
ensaiadinho...
Você riu, vermelhinha
eu parei....de ensair e............................................................beijinho.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Amanhecendo...



Destinos?

Sim.
Existem.
Mas são as escolhas,
que os fazem existir.

Acaso?

Não acredito em acaso,
e sim, no descaso,
que a gente tem.
Mania...de não dá valor.

Distância?

Não tem crédito...
Comigo não.
Somente um desafio,
como outro qualquer...

Desafios?

Desafios são ambíguos,
fazem a gente crescer,
ou parar de crescer.
É a gente quem decide...

Sobre nós?

Isso não é só meu.
Quer responder comigo?
Pois se "eu com você" vai existir,
é algo tão somente nosso...

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Entre dois ou três (Game Over?)



-->
O jogo veio de antes, quando já havia Júlio e havia Suzanne, juntos. Veio no exato momento quando houve um consenso quanto à “evolução” do ser humano, e passaram a viver em cadeia aberta (Nota 1: Esse consenso esconde uma decepção entre os dois). Regra Geral: Liberdade individual de criar peças para o jogo. E jogos paralelos (Nota 2: porém menores), obrigatoriamente com prazos de validade determinados (Nota 3: 30 dias é o indicado) são permitidos, sem o consentimento um do outro. Conforme a regra, apesar de envolverem pessoas, cada peça tem o valor de um organismo cibernético orgasmatrônico. Ou seja, sem sentimento. “Não gosto de você, gosto do que você tem, e que me dá prazer”. Segundo Júlio, é o casal modelo da modernidade. Não sentem ciúmes, nem se privam aos conceitos da moral. Enfim, quebraram todos os paradigmas tradicionais. São vencedores! (Nota 4: Fantoches do próprio ego: A decepção entre os dois- antes inaceitável- aconteceu, e a saída foi “evoluir”, a fim de não admitir o fracasso).
Acontece que, ás vezes, um coadjuvante estereotipado de robô quer se tornar ator principal. E quando os inventores do jogo se abalam com isso, o controle foge. A criação transcende os criadores. O jogo muda. Sacode a bolsa. É crise. Com Suzanne já havia sido complicado, o lancezinho de uma paixão de terceiro grau (Nota 5: primo), daquelas ferrenhas, que ferram qualquer um, e que virou amor (?). Júlio contestou, mesmo a quilômetros de distância: “Assim de repente? Em tão pouco tempo? Não pode ser, você está confusa. Isso é um lapso natural”(Nota 6: Tudo para manter a viseira que oculta o fracasso). E continuou: “Reavalie. Vai com calma, que não pode ser isso. Você o conheceu melhor agora e...e...e já quer casar? (Nota 7: No fundo ele teme a ocorrência, pois nunca vai saber se ela contornou. Se ela está sendo fiel ao jogo. E se o jogo existe, ainda. A Europa é distante demais...). Julio alimenta seu pensamento: “Mas ela vai voltar, e tudo estará como estabelecido”. E a consciência retruca: “Você tem medo de agora não passar de um coadjuvante cambaleante, já quase fora de cena”. (Nota 8: Detalhe que o macera - Ele é fiel ao jogo dos dois, em cuja caixa está escrita – “Você pode vários, eu posso várias, mas seremos para sempre nós dois”. Júlio acreditou na “evolução”. Quer amá-la, amando o mundo e seus personagens. E ela? Ela, eu não sei. Nem ele sabe. Em outras palavras, ele é o perdido que acha que se encontrou. E finda por mais perdido ainda).
Mas esse jogo é menor, dentro do jogo da vida. E de repente surge uma peça na vida de Júlio que, de mansinho, transpõe seu papel no jogo: Aline. E ela o quer. Ela o deseja. De uma forma que ele não mais crê (Nota 9: Faz ele relembrar a decepção da nota 1). Aline se esforça. Demonstra-se. E pra ela, é tão difícil se demonstrar...Mas ela o faz. Não desiste. E Júlio se vê a bola branca, em sinuca. Ele prometeu esperar Suzanne. Mas as dúvidas latejam. Os medos predominam. E mesmo tentado, ele reluta em tentar (Nota 10: Ou talvez ele não passe de um safado mesmo). E Aline...Aline diz (Nota 11: e ainda repete): “Esse é um recado aos múltiplos. Aos que pensam que a pulsão de vida está no mundo de cada um, que do teu lado deita. Teu corpo pode ser saciado, mas teu espírito busca algo mais que um orgasmo. E não falo da usia aristotélica. Falo de algo mais simples, mais próximo. Uma conversa, uma brincadeira, um carinho nas costas, um devaneio compartilhado. Coisas assim, e com alguém que seja mais que genitálias. Claro que amamos também uma boa foda., mas nunca isso será o mais importante. Pulsão de vida está em ser o que se é, sem precisar desconstruir nada para encontrar uma nova forma de controle. Desejar, para mim, é ser perpassado por constantes mudanças, e mesmo assim desejar, sem lamentar...

Amor Próprio



Às vezes,
a gente cansa,
de quaisquer histórias....

A gente só quer uma,
que não seja,
uma história qualquer....

E sente amar alguém,
a quem não se conhece.
É quando desconhecemos nosso Próprio Amor...

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Enquanto a cova ardia...



Antes que ela se sentisse tentada, eles tentaram. E pisaram em falso...
Mas bem que quiseram cavar a cova. E com fogo. Colocado de surpresa no meio da noite. Tocaia. De mansinho. Coisa de Homem? Não vou responder. Só indagar...Às vezes indagar por si só já é a melhor resposta. O óbvio não precisa ser dito.

Não sou pavio curto, nem tenho remorso. O pensamento é livre, de cada um. E sempre vai ser. Mas que o pensamento deles interfiram na minha vida, aí não. Aí a coisa aperta...e não dá pra admitir. Sinto muito estragar a "festinha" mas, sendo assim, o ponto final é necessário. Vai-se o joio, fica o trigo. Decepção? Sim...com algumas pessoas, não todas. Com algumas que não acredito ainda serem joio. E isso só o tempo vai dizer. Muito ou pouco...só o tempo...

E se foi um jogo, o jogo foi canalha. Lembrando agora de Walter Franco. Pela música canalha, e pelo Franco. Que fossem francos! Quem pensa algo no mínimo defende o que pensa, e não tem medo de falar. A fala de um não tem que ser amparada na de outros...ou não existe personalidade no pensar? Brincar de esconde-esconde também foi engraçado. E contei até 100, antes de ir embora.

E se foi uma peça os atores foram péssimos. Nem no telefone interpretaram direito. Mas mentíam, se esforçando ao máximo, pra não transpirar. Nem assim teve jeito. O cheiro exalou puro cebola. E eu, em querer acreditar. E depois a palavra mentira é usada contra mim (auto-sarcásticos vocês hein? Isso é destrutivo, e faz mal ao coração!!). E ia esquecendo...Cuidado!! Quem lê meu blog, quem me conhece, e quem ainda vai me conhecer...."Rafael está iludindo um monte de menina!"

Como diria o matuto, "dei minha cara a bofete". Fui atrás...Falei: "Tudo o que eu falei ou fiz eu assumo, mas também o que eu não falei ou não fiz eu não admito que interfira na minha vida e na de quem realmente é meu/minha amigo(a)!!.E então, o que porra é que tá rolando? Sem criancisse cara..fala!pode falar!!" E fui dizendo o que precisava dizer aos que eu encontrei. Perguntei. Calou. Perguntei de novo. Sem resposta. Perguntar mais uma vez era redundância demais...e já tinha dado vontade era de rir daquilo tudo.

Vítima, eu? Não! Apenas expondo fatos. E tem tembém a necessidade de canalizar o pensamento dos fatos em algo, pra ele ir embora, ainda mais sendo fatos nojentos assim. Que dê pelo menos um texto. E uma viagem legal! Mas não me faço de vítima...hum hum...Esclareço tudo, no que for perguntado...mas se ninguém pergunta fica difícil. Mas foi assim. Obscuridade e nebulosidade na cova que ardia...

Descobri coisas boas nisso também. Alguns são amigos mesmo. E uma, em especial, é amiga. Ela vai saber que falo dela, quando ler. Aqui é tudo sem nomes e sem bois. Ainda mais sendo um chiqueiro desses...não haveria de ter bois...

E foi mais ou menos isso...enquanto minha cova ardia....na covardia de vocês.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

A Gente



Sem descaso,
a gente mostra,
se demonstra,
e a gente ri...

Não tem texto,
a gente flui,
sem pretexto,
a gente esboça...

Não há laço,
só abraço,
e vontade,
de abraçar...

Livre a mente,
e sem fala,
a gente fala,
com o olhar...

A gente soma,
a gente some,
um no outro,
no acaso...

e subtrai o mundo...


"Aqui não haverá cobranças emocionais ou mesmo cobranças mesquinhas. Afinal com uma humanidade inteira precisando de heróis, quem tem tempo para probleminhas banais de simples mortais ?"  Grandes amigos são pucos, mas serão sempre grandes...  ; )  

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Colorido nosso



Pelas mãos,
descubro,
o rosto.
E num descaminho,
de um sorriso,
um aconchego.
Muitas aventuras possíveis,
dentro desse aconchego...

Parece que beijamos mesmo,
com o corpo inteiro.
E do tempo passar,
tão rápido,
ele pára.
E quando abro os olhos,
me disperso.
Mar disperso.................................................em você...

sábado, 6 de setembro de 2008

Justificativa da inconsequência dela



Se despir,
para além das expectativas de qualquer olhar.
Apenas enxergar a si mesmo,
no outro.
Uma espécie de "fazer amor consigo próprio" no corpo do outro,
e quando o reflexo embaçar,
adeus...

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Hoje fiz uma opção. Pra viver...

sobre  o vídeo: A Globo apresentou como Vandalismo, Revolta, de maneira arbitrária e supérflua, sendo que essa ação ocorreu pela simples necessidade de JUSTIÇA! Assista a verdade. Aproveito, tiro o chapéu para essas mulheres, e total repúdio à Aracruz Celulose e seu deserto verde.


Somos privilegiados por sermos um país em DESenvolvimento. Ou seja, estamos na metade do processo sórdido. Ainda dá tempo parar, voltar atrás, e buscar sermos um país Envolvido. Pois é pelo DESenvolvimento que o mundo está assim...

E começa de baixo. De você. Nas pequenas atitudes, nos gestos simples. Em optar por não compartilhar do lixo alimentício a venda nos supermercados. Pesquisar bem as marcas, optar pelos orgânicos, e BOICOTAR os cartéis nojentos e seus produtos igualmente imundos de corantes, estabilizantes e outras porcarias sob o falso rótulo de "Contém polpa natural de fruta!!" ou "Abrinq - Essa Empresa é Amiga da Criança". E isso não é ser radical. Ser radical é o que já estamos fazendo CONOSCO e com a NATUREZA. Pelo amor de Deus!! Dieta equilibrada você faz com frutas e verduras saudáveis e não com Actigen-E, by Nestlê.

Por que você não vai na casa de uma amigo ao invés de usar MSN ou celular? Pensa bem. Às vezes é tão perto, no outro quarteirão...E mesmo longe, vale a pena. Você pode vê-lo, abraçá-lo, rir de verdade, expressar o que sente, e exercitar esse sentimento, no lugar de substituir tudo por Emoticons.

Questione quem não quer ser questionado. Quem anda INVENTANDO NECESSIDADES para nos distrair. Tira o véu, e perceba. Estão nos fragmentando, artificializando o mundo, e nós optamos não ver...Talvez para o inconsciente seja mais fácil, mais cômodo...E nisso o tempo vai passando e as coisas ficando cada vez mais distantes da natureza. E nós, distantes de nós mesmos e dos outros. Inorgânicos.

Paradigmas de paradogmas. Paradogmas de paradigmas. Parafernálias et al. Copyright. Tudo wrong, e não fazemos nada. Confiamos cegamente no "Criança Esperança" e nas ações que vêm de cima, e abolimos de fazer qualquer coisa pelo próximo. Colocam dados positivos na TV e você engole. É conveniente engolir né? Acreditar que evoluimos no bom caminho. Mas a verdade está tão simples e clara...Basta uma volta na tua quadra. Leva uma cadernetinha e anota tudo o que vê dividido em  positivo e negativo. E se tentarem te assaltar, pede pelo menos pra deixarem a cadernetinha e a caneta...

Nós TEMOS o poder de AGIR. Se com esse escrito encaminhar pelo menos uma pessoa a fazer uma reflexão já estarei satisfeito. E que não pare na reflexão. Leva a frente, se reeduca, se reconstrói. Se observa no cotidiano (pelo menos um dia) e toma consciência de coisas fúteis, de ações banais, que você faz sem nem perceber.

Qualquer ação é justificada em favor da VIDA. Sejam Políticas, Legislativas, Educacionais (e educação é a chave do controle. Não é a toa que eles mantém uma educação tão defasada.), Boicotes, e até ações de Desobediência Civil, entre outras formas de protesto.

Faça uma opção real de vida, e vai encontrar mais pessoas do que julgasse existir lutando ao teu lado. É difícil, são muitas batalhas, e às vezes você vai desanimar. Mas haverá vitórias, e quem sabe A VITÓRIA. Só depende de nós...de todos nós.

Resumindo, e reforçando tudo: "Seja você a mudança que quer ver no mundo." (Ghandi)

Sobre o vídeo: Oceano de plástico, fruto do mais puro consumismo. Hoje ele está maior que o território dos EUA e é uma mancha viva em oceano aberto. Animais confundem o plástico com comida, se alimentam e morrem. Todo plástico que usamos vai parar em algum lugar, e quem sabe algo nosso, já não esteja aí. Assita e reflita!

sábado, 30 de agosto de 2008

Garça - Graça - Garça



No encrave de teus dentes,
em meus lábios,
minhas unhas cresceram,
pelas tuas costas...

teu corpo tremeu...
parei...fiquei,
contraído,
em você...

e o tempo passou em te olhar mais no olho. Me abstive de falar,
por um suspiro. E da frase feita, por um abraço, um sorriso,
um toque de lábios, e um momento mágico de silêncio...

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Contemplação



...e o lugar me falou essa semana que sou passante nas páginas de paisagens.

Lidas por mim,

relidas por outros,

feitas por nós...

O lugar sempre te fala, se você pára e escuta. Além dos carros, além das vozes, além do som...

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Se segura Juazeiro!!! (E o resto do Brasil também!!)



Minha intenção aqui não foi fazer uma crítica, mas uma descrição, somente. Agora, se a descrição se faz uma crítica é outra história...Então vamos lá. Por aqui, a política(gem) tá mais ou menos assim...

Em segundo lugar com 25% temos o candidato da situação, Salviano, que sequer é apoiado pelo atual prefeito ( da situação!!). O atual perdeu na convenção, se revoltou, saiu do partido, e tá apoiando o..........PT? É...o PT (Partido de Todos [?] ). "Juazeiro precisa, Salviano realiza". E o carro de som aqui passa com cada proposta..."monitoramento e policiamento em tempo real nas ruas de juazeiro com super -câmeras! - Salviano fará o frigorífico Industrial de juazeiro - Salviano fará um duplo acesso ao Aeroporto" e etc. Sei não...mas se realizar será que nem "A Hora do Pesadelo qualquer número". A gente vai trazer o Freddy Krueger de volta, com a promessa de saneamento para a Rua Elm, e daí vocês já sabem como termina...

Outro candidato é o Carlos Cruz...Meu Deus!!! O povo já esqueceu do rombo que ele deixou, porque ele tem incríveis 10% (eu acho muitíssimo pra ele), e é o terceiro. Eu rio demais com a propaganda na televisão...uma mulher falando que o espaço é pra discutir e elaborar propostas participativas em saúde, educação, e blá blá blá...aí ela diz tudo outra vez com outras palavras, e depois de novo, e de novo...(engraçado que ela esquece de dizer QUAIS as propostas...por que será?). Daí os candidatos a prefeito e vice repetem o que ela já disse com a diferença que pedem licença para entrar na sua casa. Mas tem uma proposta concreta sim, vamos ser justos. A filha do candidato, deputada, diz, no final, que em 2011 Juazeiro vai comemorar seu centenário e PROMETE que "com Carlos Cruz na prefeitura, Juazeiro vai ter uma grande festa!! " E o chavão é simples "CC é 11. 11. 11 11 11!" como a musiquinha insuportável que diz "abre. abre. abre, abre, abre. E eu só digo...Corraaaaa!! Corra, "Corra lola, corra!!"

Tem a Gorete também, que está com 1%, mas tem aqui seu espaço igual. A campanha mostra na TV uma mulher de fibra, preocupada com as causas sociais. Uma fisioterapeuta atendendo a todos de graça, solidária, que com certeza quer ser prefeita para "ajudar os menos favorecidos". (leiam essa frase com tom irônico ..e continuem lendo com ironia...). Essa não é apelativa de jeito nenhum!! Na TV, O ex-governador aparece apoiando ela...tudo bem, a não ser o fato que o ex-governador era do mesmo partido da situação aqui. Se revoltou porque perdeu a última eleição, caiu fora do partido, e tá aí...apoiando a Gorete com seus exageros propositais com coisas do tipo: "Juazeiro é a capital do Nordeste, pelas suas romarias..." Ele ama juazeiro né? Mas num exagera Dr. Lúcio...assim fica muito na cara. "O Diabo Veste Prada"...

Dr. Santana. Líder nas pesquisas com 55%. Será que agora vai? Ou racha? Seria uma chapa da oposição no seu sentido pleno, não fosse pelo seu vice e por muitos que o estão apoiando. Porque hoje todo mundo é PT...(Partido de Todos). Na televisão aparece uma tal de Irmã Nelly que fala trocentas vezes que "a gente tem que votar em Santana porque ele é FILHO do Juazeiro" (e isso é motivo de se votar?). O vice do cara é um empresário super-simpático, com um histórico incrível em militância e causas sociais (isso foi irônico) e não entrou na política(gem) pelo motivo da sua Empresa não andar bem no mercado e quase falir, claro que não!! Imaginem vocês se é por causa disso!! "É Lula lá e Santana cá, é 13 de verdade" Será? Tomara Dr. Santana, tomara...Tomara que você não esteja na frente por influência do dinheiro da "Umbrella" que é teu vice, com algum projeto macabro aos moldes do T-vírus, para deixar a cidade mais morta e com mais zumbis..."Resident Evil" foi um fiasco! Você viu no cinema né Dr. Santana....então por favor...Juízo!!


quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Não embaça que não sou de vidro...



Que papel feio,
se fazer de vítima,
e quem sabe até seja,
vítima do amor,
inventado por você...

E na falsidade, vai, voa,
abraçar quem você fala...de mau...
pra depois falar de mim,
e me...atingir?
ha ha ha...

Adolescente é foda!
pense numa tática!!
nem vai me atingir,
mas agradeço pela inspiração,
do escrito (deixando bem claro)

Iludir é uma arte,
que você faz com si próprio,
isso acontece muito, deveras,
e já aconteceu comigo também,
mas pô, assume tua culpa...

Ficar remoendo pra lá e pra cá,
se sou isso ou sou aquilo,
o que fiz e o que não fiz,
não adianta, e para de viver de SE,
vai viver de SI que é melhor...

Até tentei,
porque um amigo é sempre bom,
mas amigo da onça,
nem a onça quer,
então vai, olha pra você, e esquece meu nome...

; )

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

A menina que "só os inteligentes podem ver"



A menina vestida de sol,
girando, e girando,
dança ciranda,
por entre as nuvens,
no canto do salão...

Em si, e só...assim,
ela sempre se fez raiz,
quero dizer,
"uma flor,
que despreza a fama..."


*citação: Wado e o Realismo Fantástico.

sábado, 16 de agosto de 2008

Uma perspectiva teórico-metodológica



Na ausência daquela razão chata,
e presença forte do sentir,
sem sabão, nem água,
não tem enxague,
das palavras que você não peneira...

Reversos...são versos in versos...

Como qualquer música,
em qualquer lugar
e um olhar,
se fazer motivo
e do motivo,
se fazer sorriso
e de sinais,
inventar estrelas...

Como o mini-curso:
"Mordidinhas no lábio inferior: Uma perspectiva teórico-metodológica - Dando atenção aos dois ouvidos, como uma justificativa de respirar bem pertinho." (1 vaga apenas)

Heineken e Fanta Uva misturados,
num beijo,
Anjos e Borboletas de mãos dadas,
num vôo,
Assim...
sem fazer nada,
e já ser um monte de coisa,
como...pufffffffffffffffff....e você já ser minha neguinha ,

Tudo...assim...

de
repente,
feito,

a gente...

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Na cadência do samba



Quando me cubro,
é às avessas,
para descobrir...

Não tenho limites,
vivo intenso,
mas o intenso que existe.

E o sentimento,
...........................até que desengane,
...................................................................eu vivo.

Ouço o coração,
sim,
mas também penso.

Não espere,
não me espere,
nem faça esperar,

Se está brando,
...........................ou apurado,
................................................é a leitura do teu olhar,

Que é diferente dos meus, que é diferente dos dela, que é diferente...

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Sinais estratégicos



Anjo voa no céu...

Tem duas luas (grandes),
que me falam mais que as palavras,
Não há sinais de estrelas,
mas há estrelas de sinais,
e nesse céu,
o pano de fundo é pele...

Tem duas luas (grandes),
que me falam mais que as palavras,
Cheirinho de maçã verde,
por entre as constelações
e nesse céu,
me faço um enclave.................................................em clave de Fá.

Anjo voa no céu...

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Bora pra REFESA...



Observava a dança dos besouros no poste de luz. E isso, além de que estava bonito, me rendeu um prefácio. Voltando-me cá pra baixo me encontro sentado na grama, de frente a antiga estação da cidade do Crato (REFESA), lugar reativado como novo "point" Cultural do Cariri, cultura bela, afrodisíaca de muitos, e que traz consigo o peso de um saco nas costas cheio de psudointelectuais (homo intelectus teatrus), do que gosto de chamar de Cú-tura disFARSAda do Cururu. O gramado aqui (tirando as formigas) é ótimo porque é mais alto em relação ao bar e à praça de encontro da galera. É daqui que gosto de observar. Alguns vêm simplesmente pra encher a cara, servir de palhaço pros outros, ou ficar rindo pra Lua (muito linda hoje, num palco aberto, sem figurantes). Isso, sem motivos como eles dizem, ou talvez pra esquecer de uma vida frustrada, de um caso mal resolvido, ou de si próprio...Outros vêm pra descontrair uma semana pesada, por não ter o que fazer, encontrar amigos, ou curtir um som(nesse grupo tem muita gente boa)...E ainda há uns poucos que acham tudo isso um tédio, mas sempre vêm, e são os primeiros a chegar, porque trabalham aqui.


E olha lá os pseudos, com suas roupas espalhafatosas a la "homem do sertão" (não me desfazendo do homem do sertão, mas é o alvo da caracterização deles), de mesa em mesa, num desfile sórdido, vomitando excrementos de fala dos seus discursos superficiais. É assim que reconheço um deles. Pelo vômito silábico. Basta você se permitir a uma rápida conversa, aprofundar o assunto deles, e eles se perdem...ou então você inventa qualquer informação, que não procede, de algum artista de vanguarda para escutar um: "Eu já sabia" ou "Eu conheço". Isso, quando não arriscam e complementam a mentira inventada na cara de pau. Normalmente, eles terminam a noite na companhia de alguma donzela, dessas "marias gasolinas" (originais e aditivadas) mal-amanhadas, que levam um desfile de moda ao "pé da letra" e se vestem da maneira mais ridícula que não ousarei descrever, pra não perder tinta nem papel...


Os cafuçus são o outro grupo que se destaca. Ontem, estiveram no show de "aviões do forró e calcinha preta", cantando e dançando super hits a la "chupa que é de uva" ou "senta que é de menta" (e eles sabem a letra toda, né brincadeira não!!), e hoje estão curtindo o bom e velho rock'n roll, ou se apresentando como fãs assíduos de pink floyd, mesmo que só saibam dublar "another brick in the wall, part 2", como nessas novelas mexicanas. Aí, "We don't need no education" vira "Wirow Wirow edukeychion". Quando a banda no palco se propõe a tocar algum cover, são os cafuçus os primeiros a gritar com tom de importância: "Beatles!!!"...


Vejamos agora a linda garota que a tantos inspira. Ela chegou. Os comentários sobre ela na Universidade e entre todos os grupos descritos e não descritos são fortes. Só de passar por entre as mesas num movimento "S" proposital, perpassam consigo os olhares até mesmo dos que estão acompanhados (e isso vai dar confusão mais tarde para alguns casais). Mas o ambiente é alternativo. Meio distante, duas lésbicas observam o alvo de maneira persuasiva, cochichando, quem sabe, alguma fantasia sexual a três. Ela é bonita mesmo. Seus cabelos são ondulados, escuros, mas de um brilho..., que brilha mesmo na noite, e ofusca o "ao redor".Corpo bem afeminado, cintura fina, quadril bem desenhado, pernas grossas. A face bem lisa, nariz afilado, olhos claros, não dá pra dizer daqui se verdes ou azuis. O sorriso é atraente e agradável. Vestindo uma blusa verde-limão com uma capri jeans e um...SAPATO VERMELHO DE BICO FINO COM SALTO(!?) é mesmo um belo outdoor ambulante de cabeça vazia cujas entrelinhas dizem: "Continuem me admirando, eu amo isso, e isso é a minha vida!".Ahhhhh...Eu tinha que observar essa garota tão "incrível", com suas qualidades únicas, pra ver o que me causava...E me causou um final pra isso, no momento em que te vi desfilando no início da noite. No momento quando te olhei, você, "linda", o próprio crepúsculo (vide sentido fig. da palavra) em pessoa. No momento quando, te olhando, me arrepiei, e senti uma queimação descendo no corpo...

Nada mais que a cachaça que descia...

E continuei na noite, no papel a que me propus hoje, sendo um e outro, até não ser mais nenhum, além de mim.



quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Duvido, logo existo



As dúvidas, quando não te trituram, te bifurcam. Uma infinidade de caminhos a tua frente, visíveis e invisíveis, se mostram em várias direções, e você não enxerga para além. Sabe que há começo, apesar de que o começo possa nem existir. E nesse caso você até inventa um. Mas não sabe se há desvio, se há retorno (e o retorno é perigoso, pode ser algo completamente diferente da volta tão desejada)...não sabe sequer se há. Resta apenas seguir...mas seguir o que?

Razão, Fé, Coração, Instinto...trazem apenas mais dúvidas e fazem nascer mais caminhos (por bipartição). E você já tem que decidir rápido, pois ficar parado também já se tornou um caminho. E então, o que você espera? um conselho meu?

Ninguém pode, verdadeiramente, te aconselhar. A convicção que leva alguém a pensar que está certo provém da simples necessidade de fugir de um mundo onde não há certeza. As dúvidas afligem a todos...a todos que pensam estar vivos. As dúvidas afligem...mais ainda os que pensam estar vivos, e certos.

Conviver com as dúvidas pode ser interessante, se você souber. Porque as certezas também são redutoras de possibilidades. E é aí que você entra. Entra e inverte os papéis. Faz das dúvidas mais braços e pernas, e da certeza uma coisa que atrofia. Com ou sem, dúvidas ou certezas, os valores são sempre teus.

E isto não é um conselho...

domingo, 3 de agosto de 2008

Palpite

Ontem passei por vários blogs,
e repassei o meu,
pensando uma idéia de como a gente deve funcionar,
por dentro.
Pensei. Pensei de novo, e ri.
Ri, porque o que eu pensei já existia.
Como um clipe, de uma banda, já existia.
Mas agora, no contexto que eu coloco,
Penso que seja, mais ou menos, isso:




vídeo: Dead Can Dance - The Carnival is Over.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Colírio do Campo (Felipe e Bianca)



(Bia ainda pensa consigo):

Se é um falso rito,
me dá um desmotivo,
que eu desacredito,
e a gente vai jantar...

(Lipe):

Em gargalhadas histéricas,
fingindo estar a vontade,
numa certeza camuflada,
em um falsete de improviso...

(...)

Mesa posta (mesa posta),
Comem rindo (artificialmente natural),
Vinho servido (bebem vinagre),
Diálogo solto (conversa fiada),
Embriaguez inesperada (fuga dos dois: premeditada),
Sobem pro quarto (rotina),
Luz acesa (corpos escuros),
Amor e sexo (vontade e sexo),
Movimentos (mecânica de corpos),
Gemidos, Palavrões e Elogios (ações de excitar),
Orgasmos (vertigens)
Entreolham-se (nojo)
Beijinho (gastura)
Boa noite (vai se foder)
Sono demorado (remorso)

E o vento que finge secar as lágrimas,
só as espalha,
por dentro. Colírio do campo,

minado...

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Canções de dentro da noite escura



No meio do caminho tinha um rio,
Tinha um rio no meio do caminho,

No meio do caminho...eu-rio,
Riacho de mim. Ri, acho, de mim.

Dos lugares que ri, ontem rios,
Passa um rio de lembranças,
Hoje rio de saudades...

E de repente a noite, sem arrebol. Escura.
Como um ser humano em aplasia eu penso:
Tem risos que te fazem viver mais, outros não.

Descosturar é também dar sentido novo,
Isso é autotrófico e fotossintetizante.

Tem lágrimas que só te incham os olhos. Outras não...



*Desenho da foto: "Rio de mim" - feito depois do texto

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Com cobertura de Morango



Certa menina veio,
sem receio,
num olhar, num sorriso,
em um dia frio com sol,
numa cidade qualquer...

Certa menina pousa sobre mim.
Pousa,
e não pesa.
Me deixa até mais leve,
na leveza de estar com ela...

Meu "querer ficar só" não me bastou, e te contornar é tão...diferente. Diferente...é a palavra de tudo o que tem sido,
e do que está sendo...

Certa menina ou Menina certa, sem pressa, o tempo vai dizer. Com as palavras, com os olhares. Gestos, ações e reações. Me torna mesmo feliz é a parte nossa que já existe,
e essa porta entreaberta. Possibilidades, e escolhas...

Não precisamos de prosa,
nem de poesia,
não precisamos de rimas,
só de ar,
porque somos nosso próprio vento,
assim como no meio da noite...amanhecemos.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Dormência



Com Paixão pelo que se faz a gente descomplica. Desinibe. Exconjura. Claro, tem Amor lá no fundo, e jamais negarei o Amor. Tem que Ter. Tem que Ser. Mas é a paixão que Revira forte. Cria, Recria, e torna o Amor mais Intenso. Tão Intenso que extrapola...e alcança. Fazer-Sentir, Saber-Sentir. Depois disso sim, construimos o "Saber-Fazer". Percebe?

Somente a Semente não basta, se a gente não quebra a dormência...

sexta-feira, 18 de julho de 2008

"Crato - Juazeiro" em Festa! (Expocrato)




(NO CRATO)

Branco e preto como extremos
Cinza e tons de cinza,
Cinzento de cidade,
Cinzeiro de pessoas,
Trazidas, Tragadas,
Estampadas, Estragadas,

M U S I C A D A S,

Com instrumental de ônibus, topics,
E distorção moto-rizada,
em samplers de gritos de cobrador e choro de criança,
cantado por barítonos publicitários,
num volume oscilante perturbador...

(MEIO)
Olhando pro verde escuro, cochilei...

(JUAZEIRO)
Acordei. Desci...

Branco e preto como extremos,
Cinza e tons de cinza,
Cinzento de cidade,
Cinzeiro vazio,
E só cinzas...
Por hoje.

[Making Of]
Atravessei a rua. Nem precisava. Minha casa é do mesmo lado. É que tem uma planta nascendo numa falha do asfalto, embora na verdade o asfalto todo seja a falha...Ahhh não importa. A planta ainda está lá. E o "making of" acaba sendo o que importa.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Lua Crescente no Céu



Lua crescente pra todos,
Lua nova pra nós,
Nova, Nossa, e Cheia.

Rabiscos,
Reviram,

Por dentro


Esboçam,
Escritos,

nos dois,

Lua crescente pra todos,
Lua nova pra nós,
Nossa, Nova, Lua, é
Cheia...

Algumas compreensões...



É verdade que muitos enxergam seus erros. Mas enxergar erro não implica em mudança, ou ao menos em querer mudar. Querer mudar exige um tanto de Perseverança e Paciência, de mãos dadas, num propósito.

Me disseram um dia que Humildade era fraqueza, era medo, era subserviência. Pensei sobre. E não penso assim. A Humildade não deve ser compreendida como "ser passivo" nas situações, e muito menos como sinônimo de fraqueza. Pelo contrário, a Humildade é virtude de Fortaleza. Ser Humilde é reconhecer-se certo quando certo e reconhecer-se errado quando errado, e nesse caso, abdicar das convicções erradas, nem que pra isso tenhamos que renovar nossos próprios conceitos.

A palavra Esperança tem um mistério. Eu acredito que o mistério da palavra esperança está em ser, essencialmente, uma palavra da Alma. Por isso é força, por isso é cura, e por isso é Esperança.

As compreensões vêm da forma necessária para que compreendamos. E só quando se é capaz de discernir de dentro pra fora, se é capaz, verdadeiramente, de discernir.

Ahhh...antes que me perguntem...não sou espírita. Nem tenho uma religião. Só acredito em Deus e tenho uma Alma, que vez por outra fala ao corpo...
e eu escuto.



quarta-feira, 16 de julho de 2008

Tudo ao mesmo tempo agora (ou, Muito surpreso com tudo isso)



Do cheiro que desconheço,
só guardo um pouco do riso,
um eco da voz,
e a intersecção de olhares...
no(s) momento(s) de paralelo(s),

"Simples,
mas complexo".
Aquele brilho no olhar,
que olha, e brilha,
e brilha, de encantar...

Anjos e borboletas podem voar,
e podem voar alto...Mas podem voar juntos?
E fazer reticências nas estrelas, podem?
Tem perguntas que você sozinho não pode responder,
Mas sabe das jujubas?

O doce que eu quero só a verde tem!

E através
---------dos versos
-------------------atravesso
----------------------------do avesso
-------------------------------------de mim
-------------------------------------------para ver
---------------------------------------------------você...

segunda-feira, 14 de julho de 2008

De um pra outro, do outro pra um, e de dentro dos dois.



O amor anda de mãos dadas,
E de mãos dadas faz desandar em amor.

Ousa,
Supera,
Degela
.

Não é o beijo, não é o toque, não é a chama.

É amor.

Esses coadjuvantes se esgotam,
E o amor como ator principal sobrevive.

E faz sobreviver...

Se temos uma alma no corpo,
é como se o amor fosse uma alma de todo resto.

O sentir,
de todos,
os sentires,


E do amor...não quero um que não seja de nós dois.

Nosso.

domingo, 13 de julho de 2008

Estações



Fui mesmo porque eu quis, e porque poderia ter sido.
Tentei. E não foi forçando, foi vivendo mesmo.
Gostei de estar, e os bons momentos estão bem guardados.
Pensei...
Não se escolhe o que se sente. Mas eu quis descobrir.
Porque a descoberta, qualquer que fosse, valeria a pena.
Descobri...
Ainda não foi dessa vez que saí das minhas aspas.
Não por culpa tua. É o meu sentir. E não há culpados.



Hoje acordei com saudades de um tempo que ainda quero conquistar,
E "Nada vai apagar, o cair do sol, nos braços do mar...
Nada vai apagar".




*Citação: Banda Criolina.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Uma das várias e comuns...



Liguei o som. Já escutei Feist (só "i feel it all" duas vezes), e Radiohead (The bands completo). Passei pra um Elis ao vivo (saudades do Brasil), mas só queria mesmo escutar "as aparências enganam" e segui, de Andréia Dias. Esse eu escutei todo, sem pular faixa e prestando bem atenção. Adoro Andréia Dias (em Dias e Noites). A base de Violeta de Outono quase, mas quase que consigo dormir. Mas não dormi. O CD acabou, levantei e pus Frank Zappa and the Mothers. Me deu certa impaciência e desliguei o som. Pensei comigo que deveria ter colocado Gong, ou Pink Floyd (o "the division bell"). Mas não o fiz, e já desliguei o som.
Peguei a máquina fotográfica. Esgotei-me em fotos. De um lado pra outro, sem flash, com flash, brincando de descolorir-me, para quem sabe, amanhecer em cores...
Liguei o PC, postei.
Vou dormir. Vou?

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Cactus de Vidro



Vivendo no "sex appeal" do inorgânico,
me sinto deslocado.
E me aloco em mim, saindo de vez em quando,
meio fechado, entreaberto por segurança,
meio aberto, flexível por natureza.

Não há limites para a exploração do fútil. Até o "não fútil" é tema do fútil.
Armadilhas e disfarces mais elaborados.
DisFARSAdo cultural,
nas correntes e contra-correntes,
num caldeirão denso e vivo. Sem bruxa.

Flores de cactus também são belas,
mas esses cactus são de vidro!
("Sex appeal" do inorgãnico)
O mundo precisa de menos corpos e mais alma. E eu de você.

Pó Químico



Hidrogênio e Carbono num Hidrocarboneto. Em dupla ligação de relação recíproca, tinham um ao outro em cadeia fechada.


Derivados de cicloalqueno e nada mais, desfizeram-se.

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Eu em cores



De um azul despercebido,
por entre verdes contorcidos,
em pontos rubros faiscantes,

Sob o amarelo dilatado que sorri fosforescente,
um cinza fosco de sentidos só meus,
e branco desfocado por preencher,

Um trechinho de incolor, pois incolor também é cor.
Cor que reflete cor,
por outro ponto de vista.

Misturo todas. Separo. Experimento.
Furto a cor. Furta-cor. Com e sem pincel.
Recrio. Descubro. E sigo assim...

sem colocar água nas minhas tintas.

Helter Skelter



As reviravoltas do céu nos movimentam por linhas tortas,
de círculos e paralelepípedos,
ou de apenas linhas tortas...
De formas,
Disformes...

E faz pensar...

É engraçado quando é questão de tempo. A gente sabe. Só não se sabe quanto tempo.
E não era nada disso de Amar. Era ímã de geladeira. Caiu. Descolou. Quebrou. Rompendo o magnetismo não fixa mais.
Não insiste em colar. Não uso cola. Odeio remendos e jeitinhos. E fica feio, concorda?

Da janela, olhando pro céu...(sem te ver em estrelas)

E perceber a fraude,
um processo lento,
fraudulento,
de pensar,
mas não amar...

terça-feira, 8 de julho de 2008

In (flames)



A menina em chamas,
chama(s),
por dias melhores...

As chamas da menina,
num enlatado ardente,
armadura de fogo...

Que queima do que vem de fora,
o que não presta, a prestação.
Mas nem sempre funciona...

Às vezes as brasas se confundem com cinzas,
e cinzas em brasas
ainda queimam...

A menina em chamas, chama
e quem mais pensa saber sobre,
é quem menos conhece...

José(s) Maria(s) de segunda a sexta (das 07:00 às 22:00)



Acorda, boceja, escova os dentes. Toma banho. Vai comer alguma coisa, às vezes toma só leite mesmo. Com café. Ou só café. Bebe água.
Escova os dentes de novo. Vai trabalhar. Em média fuma. Almoça na rua.
Às vezes um lanche. Volta. Banho. Come vendo TV, ou vê TV comendo. Bebe água.
Ri ou chora. Deita e Dorme.

É isso. Outros detalhes são supérfluos e atrapalham a concentração. Odeia coisas complicadas...
E o mundo cada vez mais cheio,
De cabeças pneumáticas e carne de terceira.

Mas Universo Paralelo não importa, importa?

domingo, 6 de julho de 2008

A quem se sentir atingido (Tinha 17...e escutava muito Raul)


Chega de religião, chega de lógica, chega de regras, e de estilo.
Chega de repetição, chega de limites, chega de rotina, chega de dizer chega.

Sua igreja não me interessa, sua lógica não me interessa, suas regras guarde pra você, seu estilo oculta você.Vive na repetição, nos limites de sua rotina, e nunca para pra dizer chega, chega de dizer chega. E com toda sua grandiosidade autoatribuida, não passa de mais um neo-ser, humano, em fase de experimentação e adequação ao sistema vigente no contexto mundial moderno (Blééhh). Mesmo assim se diz levar uma vida alternativa, apesar de sempre pegar o mesmo trem, a mesma estrada todos os dias...E nunca se dar conta disso.

Liberte-se, olhe ao seu redor e perceba a falsidade desse seu orgulho interior que a cada dia te arranca mais um pedaço e te consome lentamente. Entre neste vagão descarrilhado, sem rumo, onde o destino é sempre além do já alcançado. Ignore os dogmas que te foram impostos e crie suas próprias teses a partir de sua essência. Faça-se seu mundo, faça-se seu centro, faça-se sua meta e refaça você a partir de você próprio.


*Bom...esse escrito é antigo e li algo no blog da Aline que me fez revirar meus borrões e rascunhos atrás dele...achei, ri um tanto relendo...e taí um trechinho da minha adolescência. :-)

sábado, 28 de junho de 2008

Aminaácida



Cheira,
Descasca,
Cheira de novo,
Saboreia, degusta, mastiga,
E prova os ingredientes antes de cortar...

Em cima de tudo, digere.
Enzima de tudo, corrói.
Vai em frente,
Aperta o 3, o 4, o 5,
E liquidifica, todo de uma vez...

Mas a mina ácida prefere o pulse...e bem devagar...

sábado, 21 de junho de 2008

Leite com Nescau



Ponto final? Não houve como ser.
O mais que consegui,
Foram as reticências,
Reticências difíceis estas. E tentativa, de negar o que eu sinto...

Existe mesmo um sol e uma lua nossos. E brilham forte.
Meu medo inventou um eclipse em tudo. Como de costume.
Mas desfiz, e você ainda estava lá,
Você, e a lua, e o sol.

Notas...as notas trazem os tons,
Mas isso não é um trabalho solo,
E o encaixe dos tons reside na certeza,
de que sem você não há essa música.

"São beijos que nunca voltarão"
Verdade. Pois não há um que se repita.
Intenso. Extenso. Brincando. Sorrindo.
Só rindo. Sonhando. Pensando. Sentido.

O sabor e as manchas, que ficam por fora,
Somem. Mas te digo, e digo porque quero te dizer,
Que há sabor e manchas por dentro. Que ficam,
E ficam bem guardadas. Com carinho.

Ontem resolvi segurar tua mão. E te segurar.
Sem mais lágrimas,
Sem mais desculpas.
...E do leite...coloquei nescau.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Fiz Geografia...(mas nem por isso sou Geodésico)



Repleto de meridianos,
não nego meus paralelos,
mas nem por isso sou geodésico.

Dos fusos...fiz fusão,
na zona intertropicália,
de rocha'nd roll...Minha Geomorfologia amorfa.

E recomeço...


Se a noite assim ficasse,
e pelo dia só passasse,
ao entardecer eu lembraria,
tal como a noite se faz dia,
das vezes que me desconheço,
e no anoitecer me amanheço...

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Escorregador



Trinca teus dentes no meu lábio (inferior). Desce.
Suga o meu pescoço. Vai. Segura.
Morde forte agora. Segura. Não solta.
Não desfaz. E a partir daí, suga mais.
Reforça o que é vermelho. E deixa roxo.
Reforça os meus caminhos. Em tuas unhas.

Agora vem...e escorrega...Intenso e por Extenso

(In) Tenso,
é tensão por dentro,
e quaisquer palavras condensadas,
evaporam, e tornam em suspiros...

(Ex) Tenso,
é tesão por fora,
e quaisquer "papai e mamãe",
tornam em sátiras sofisticadas do dia a dia...

Escorrega e vai. Até o fim.
Volta. E não sobe pela escada.
Volta por 0nde desceu. É mais gostoso.

Escorrega e vem. Olha o encaixe.
Minha coxa entre tuas pernas,
e o nosso escorregador...

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Mo(vi)mentos



Assim são minhas constâncias. Inconstantes. E embora pouco eu compreenda, eu me caibo nelas como elas cabem a mim. Acontece que, por muitas vezes, o copo enche, e elas querem transbordar. Transbordar é perigoso, pode machucar alguém. Especialmente, quando se trata de pessoas que a gente gosta, transbordar é perigoso. Então, encosto meus lábios na beira do copo, devagarinho, pra não ter perigo de derramar, e bebo meu próprio suco. Pelas repetidas vezes que me forem necessárias...

terça-feira, 27 de maio de 2008

Castiçais



Sem meios termos,
e sem meia luz,
acendemo-nos,
num calor sem requintes,

Com faíscas nas costas,
e com chamas sem velas,
queima, consome, e não some,
os castiçais...dos corpos,

Sem truques de câmera. Assim,
como suamos,
e ressoamos,
pelas janelas de vidro...

domingo, 18 de maio de 2008

InteRsecção



E mesmo no silêncio,
ouço tua voz,
sinto teu toque,
e deito no teu reflexo,
na intersecção dos teus limites,
com meus domínios,

como se de mãos dadas,
estivéssemos...

terça-feira, 6 de maio de 2008

Pirulito que bate bate...



Linda lua cheia.................................de si.
Linda lua cheia................................de mim.

Eu sozinho,
num canto,
do quarto.

Você some,
num canto,
da noite.

Quando não se pode,
cantar,
a canção a dois,

E quando cantar,
só,
não dá canção,

É a saudade quem canta.
E dói,
mas diz o quanto importa................e qual é o tom.