quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Para Elandia...



Por vezes você muda
"muda muito"
muda sem mudar
sem deixar de ser você

Assim como o dia muda
e não deixa de ser dia
você muda
e não deixa de ser flor...

2 comentários:

Elandia duarte disse...

È que me escondo me mostrando, e me extasio quando alguém consegue transpor esta carcaça de fingida trnsparência e consegue lê um pouco da minha essência!!!

Tu sempre ropemdo barreiras e me fazendo tocar espaços delicados de mim mesma!!!
Adorei o poema!!!
e me envaideci ao saber que fui capaz de inspirar poesia em ti!!!

Num preciso dizer que gosto bem muitão de tu não né???
Tu já sabe!!!!!!!!!!!
Mas ainda assim gosto de repetir:
Adoro tu, seu CHATOOOOOOOOO!!!!!!!!

Cecília disse...

Uáááááááááááá!
Que tem coisa que é tãoboa de seouvir, de se enxergar dentroi dela que a gente se perde no conceito do outro e as vezes nem se acha de ceto modo tão fiel. Mas é que tem gente, que não adianta se mostrar diferente, é e é. É e é do jeitinho que a gente vê. Da mesma forma, mesmo sendo flor de papel desenhado com lápis de cor, ou mesmo flor de verdade, dessas que sabe-se-lá-quem-criou.
Ai! Que as vezes eu nem sei!