terça-feira, 21 de agosto de 2007

??? (Estrela Solitária)


Teus olhos guardam sentimentos confusos e secretos
Por trás de um sorriso, lágrimas recônditas inconfessáveis
Um lindo brilho que se ofusca
e passa despercebido a todos, mas não a mim

Estrela Solitária
Vaga errante no seu universo infinito de quatro paredes
Quem sou eu pra te notar
quando você não quer ser notada
por medo dos detalhes que fazem a vida
detalhes que são incertos, detalhes que se arriscam
mas você não quer tentar
quem sou eu pra te tentar

Às vezes sol, Às vezes lua
assim é você na sua inconstância constante
limitando seu mundo a uma sensação falsa
onde quem te ama te vê...incapaz de amar.

Um comentário:

Asas do tempo disse...

não tenho palavras para comentar com fidelidade o que senti desta poesia, o que consigo dizer é que gostei muito, é forte e intensa. Parabens pelos versos!
Luciana Dantas