sábado, 25 de agosto de 2007

Brincadeira


Olhares diversos, anseios suspensos rompendo silêncio
Energia do tempo, vibrando no corpo
Paredes que envolvem, calor que emana
Música ecôa, frieza lateja

Não há nenhum espaço pro tal de acaso
O corpo segue compasso já predestinado
E segue firme, ou não, ao som do tambor
Alguns vão por ir, outros por amor

Nesse instante nasce nova estação
Dançando em ciranda, no tom da paixão
Musica ilumina onde não há luz
Roda, roda e gira, e a todos seduz

É pura magia que traz melodia
Acordes humanos se põem a bailar
E tornam tão quente a noite tão fria
E trazem as ondas onde não tem mar
O mar ta pó dentro, maré está alta
Calor vem do gosto de se encontrar

... Não vou mais pensar, deixemos que role
Vai que eu estrague tentando encerrar...

Por: Luciana Dantas e Rafael C. Soares

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Palha Aço



Alegre palhaço triste
Tua lucidez já se fora em febre
Triste palhaço alegre
Por que nessa vida insistes?

O palhaço que ri desvairado
É o mesmo que segue se esvaindo
Toda a vida ao longo de um fio fino
Suportando vários “seus” lado a lado

Que importa a alegria do disfarce
Que importa o “ao redor do picadeiro”
Se sempre acaba por passar mesmo janeiro
Se sempre acaba por negar a própria face

Havia de se resolver com uma canção
Confessa o palhaço, cego, canta torto
A canção emudeceu no coração
Muda canção, mas não muda o desconforto

A angústia se alarga no espelho
Sombrio palhaço vazio
Na janela já não há tanto vermelho
Sombrio palhaço vadio

Ri, desvairado, o palhaço
No espetáculo vê o público sorrindo
Dança ao som desse compasso
Para mais tarde chorar em desatino

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Simples Assim...


Não acreditas em olhares
e esqueces de proteger teus olhos
olhos que falam e te enganam
e contradizem as palavras que dizes

Sentes, sabes que sentes, mas hesitas
deixas de falar, deixas de fazer, deixas de viver
por escolhas, poderás deixar a vida inteira
mas não poderás deixar de sentir o que não se escolhe.

Tu simplesmente não entendeste nada
a diferença se fazia nas coisas mais simples
e os principais motivos não eram os óbvios
mas tu negas o que eu acredito

Hoje só rio, hoje só, rio
demorei mas hoje sei
que não há sentido algum
em sentir só...

Tão linda
Tão dura
linda e dura como cristal
e contraditoriamente frágil.

??? (Estrela Solitária)


Teus olhos guardam sentimentos confusos e secretos
Por trás de um sorriso, lágrimas recônditas inconfessáveis
Um lindo brilho que se ofusca
e passa despercebido a todos, mas não a mim

Estrela Solitária
Vaga errante no seu universo infinito de quatro paredes
Quem sou eu pra te notar
quando você não quer ser notada
por medo dos detalhes que fazem a vida
detalhes que são incertos, detalhes que se arriscam
mas você não quer tentar
quem sou eu pra te tentar

Às vezes sol, Às vezes lua
assim é você na sua inconstância constante
limitando seu mundo a uma sensação falsa
onde quem te ama te vê...incapaz de amar.

Momento

Parecia dentro de ti
Sentindo teu respirar junto ao meu
Lembro de teus toques anestésicos e...

Já não estava, já não me via
Não sei o que foi feito, nem o que fizemos
Já nem sei o que sentia

Novamente algo único acontece
resta-me me pegar sorrindo e pensando
no que mais somos capazes de fazer

Mas não busco respostas
são apenas pensamentos inevitáveis
como o que aconteceu

E sobre isso já não posso falar nada mais...

Apenas

Não tema em hesitar
Se tiver que ser, o medo será desconhecido
Se tiver que acontecer...
O mesmo olhar que fita teu rosto
será igualmente para teu corpo
pois tudo irá importar...

Mãos que deslizam por vontade nossa
te tocam procurando te sentir
em cada dedo, cada detalhe, de cada curva
percebidos
como cada detalhe de cada momento,
feito num harpejo

Os corpos serão meras respostas
e o prazer belo,
será consequente
Susurros para além de gemidos
serão versos não falados
versos sentidos

E o tempo...terá ido há muito tempo
insensível, no domínio dos suspiros
até sobrevir o clímax
de te envolver e contemplar
num depois que não será depois
num todo especialmente indefinível e impossível

Talvez tolas sejam as minhas crenças...

O Andarilho


Uma estrela caiu
e nos desejou
um amor maior que os andes
das geleiras azuis



A montanha acordou
e emaranhou
viajante solitário
avião e vapor



Lua lua luou
e gravou no céu
o seu disco flutuante
minha vista nevou



Andarilho de luz
veio me trazer
un sendero luminoso
gavião e condor



Nas trincheiras do sol
todos os irmãos
mesma trilha guerrilheira
violão e cantor



Quem pintou amanhã
paz de bom pastor
sentimento quebra gelo
coração e calor



Flávio Venturini
Esta letra foi retirada do site www.letrasdemusicas.com.br